sobre o projeto

  • resultados do
    projeto

    O Projeto Trilha Jovem – Turismo e Inclusão Social surgiu da intersecção de dois desafios socioeconômicos articulados: a demanda de inserção social e profissional de jovens, especialmente os oriundos de famílias em situação de vulnerabilidade e risco social, e a promoção do desenvolvimento sustentável do turismo no Brasil.

    É um projeto realizado pelo Instituto Polo Internacional Iguassu e capacita jovens, com renda familiar de até três salários mínimos, com idade entre 16 e 24 anos e alunos do ensino médio da rede pública ou concluído em até 2 anos, para atuarem no mercado de turismo de Foz do Iguaçu nas áreas de Turismo & Atendimento, Hospedagem e Alimentos & Bebidas e afins. Busca possibilitar a inserção no mercado de trabalho, com o acompanhamento das primeiras 80 horas do jovem na empresa, bem como a sua permanência e ascensão profissional. O grande diferencial do projeto é a metodologia, que trabalha com todas as dimensões de transformação social dos jovens: técnico-profissional, social e individual. Ela é multidisciplinar e soma o desenvolvimento das competências profissionais básicas ao conhecimento efetivo, alcançado por experiências vividas na prática. Todo o aprendizado é baseado em normas do Sistema de Certificação da Qualidade Profissional para o Setor de Turismo.

    Mais que um projeto social, o Trilha Jovem Iguassu promove uma mudança comportamental do jovem que participa da capacitação. Os jovens aprendem na prática como se portar em sua comunidade, em seu trabalho, e o mais importante, direcionarem suas vidas conforme o plano de vida e carreira que desenvolvem ao longo do projeto.

    sobre a
    iniciativa

    O projeto prepara jovens para ingressar, permanecer e crescer no mercado de trabalho no setor de turismo e áreas afins. Iniciou-se como projeto piloto em 2004 com a meta de inserir no mercado de trabalho 40% dos 600 jovens que seriam beneficiados até o final de 2005 em Salvador e na Costa dos Coqueiros. Esse número foi não apenas atingido, como superado. As cinco primeiras turmas apresentaram 68% de inserção dos jovens concluintes. Durante o período de 2006 a 2010, o projeto foi executado nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu, São Paulo, São Luís, Brasília, Recife e Natal, beneficiando mais de 4 mil jovens.

    A participação dos jovens no projeto cria oportunidades de trabalho, agrega contribuição para o preparo profissional em busca do primeiro emprego.

    Os jovens da geração atual totalizam um pouco menos de 1,8 bilhões da população mundial que é de 7,3 bilhões de pessoas. Nunca houve mais jovens de 10 a 24 anos do que em qualquer outro momento da Humanidade, segundo o PNUD 2014. No Brasil de 20% a 29% da população em 2015 são compostos por jovens entre 10 a 24 anos.[1]

    Assim, o trabalho é uma poderosa via de inclusão social, já que é um dos principais mecanismos através dos quais os benefícios do desenvolvimento podem chegar às pessoas e, portanto, alterarem positivamente suas condições de vida. A falta de trabalho atinge de forma mais severa os jovens oriundos de famílias em vulnerabilidade social, que ficam expostos ao consumo e tráfico de drogas e a outras formas de violência. Diante disso, a juventude tem aparecido com muita frequência nos debates das redes que trabalham em prol dos direitos da criança e do adolescente, especialmente nos últimos dois anos. Isso é constatado pelo lançamento de inúmeros projetos e pela mobilização de organizações públicas, sociais e empresariais para o enfrentamento das questões específicas relacionadas aos jovens.

    Por outro lado, as potencialidades do  mercado de trabalho do Turismo, criam perspectivas concretas de geração de trabalho e renda. Mesmo considerando a dimensão atual do mercado de trabalho, o setor apresenta notórias deficiências de pessoal qualificado, sendo muito difícil, especialmente para os empresários de micro e pequenas empresas, contar com mecanismos que garantam a qualificação de seus colaboradores. Existe, hoje, uma percepção generalizada que a elevação daqualidade dos serviços prestados aos turistas pode tornar o Brasil mais habilitado para aproveitar todo o seu potencial turístico.

    O crescimento do setor pode ser então, uma resposta ao problema crucial da juventude. Por um lado, as oportunidades de emprego geradas podem ser aproveitadas pelos jovens e, por outro, em um círculo virtuoso, a educação dos jovens para o turismo pode ser uma alavanca de desenvolvimento sustentável.

    O projeto considera como formação para a vida todas as habilidades, atitudes e conhecimentos mobilizados para a construção de uma postura cidadã, responsável, sob o ponto de vista da autopreservação física e sexual, educação financeira e empreendedora e a consciência ambiental, considerando o jovem capaz de escolher e investir no seu caminho profissional.

    objetivo
    geral

    Fomentar oportunidades de trabalho no setor turístico e áreas afins de Foz do Iguaçu aos jovens que estejam em situação de risco e vulnerabilidade social.

    Objetivos específicos

    Objetivo específico 1: Selecionar 120 jovens por edição para participar das aulas presenciais e extra classe com foco na formação e inserção no mercado de trabalho;
    Objetivo específico 2: Garantir que até 40% dos jovens que concluírem a etapa presencial de 500h tenham uma vivência profissional de 80 horas no mercado de trabalho;
    Objetivo específico 3: Garantir a inserção profissional de 20% dos jovens que cumprirem a vivência profissional.

ações
realizadas

A capacitação oferecida aos jovens terá carga horária de 580 horas, distribuídas em 400 horas de atividades presenciais e assistidas pelos educadores de aprendizagem, 100 horas de atividades desenvolvidas de forma autônoma pelos próprios jovens e acompanhamento das primeiras 80 horas de experiência de trabalho do jovem na empresa.

As atividades presenciais são dedicadas à realização de oficinas, elaboração e implementação de projetos, sessões de aprendizagem em laboratórios de informática nas áreas de Alimentos e Bebidas (A&B), Hospedagem, Turismo & Atendimento e atividades orientadas nas empresas do setor de turismo.

O currículo do Trilha Jovem está organizado em Eixos interdependentes e complementares, a saber:

  • Eixo I - Promover o Desenvolvimento Sustentável do Turismo (comum às três áreas);
  • ‍Eixo II - Promover a Excelência em Serviço (com três opções de formação: Alimentos & Bebidas, Hospedagem e Turismo & Atendimento);
  • ‍Eixo III - Construir um Plano de Vida e Carreira (comum às três áreas).

Cada Eixo é composto por conjuntos articulados e sinérgicos de ações educacionais. São oficinas que se inter-relacionam, se comunicam e se complementam de forma flexível e dinâmica, por meio do desenvolvimento de um projeto. As oficinas proporcionam o desenvolvimento das competências que serão aplicadas no planejamento, execução e avaliação do projeto. O projeto que articula o Eixo, por sua vez, orienta e dá sentido às atividades das oficinas. Assim, o Eixo pode ser organizado e desenvolvido de acordo com as necessidades e com a evolução do projeto.

Componentes diferenciadores

O currículo do Trilha Jovem apresenta outros componentes diferenciadores. O Trilha Jovem Iguassu considera como formação para a vida todas as habilidades, atitudes e conhecimentos mobilizados para a construção de uma postura cidadã, responsável  considerando o jovem capaz de escolher e investir no seu caminho profissional. Nesta perspectiva, destacam-se os componentes transversais como educação ambiental, financeira e empreendedorismo, saúde e sexualidade, inclusão digital, empregabilidade, conexão com as comunidades das quais os jovens são oriundos. Assim, a partir do conteúdo trabalhado, os jovens idealizam, viabilizam e executam projetos que atendam necessidades ou resolvam problemas existentes na comunidade. As ações são as mais diversas e possibilitam um pensar e refletir sobre as atitudes de cada um.

Sobre o poloiguassu